A maçã!

12 06 2009

O texto abaixo foi retirado do blog: http://www.igrejainternacional.wordpress.com

Vou republicar isso aqui pq eu fez minha manhã MUITO MAIS FELIZ!

Aiuahiuahauihaiuhaiahahiaiuh

A maçã

Fui procurado dias desses por D.ª Conceição, assídua fiel dos cultos de domingo e mãe de três filhos, o mais velho dos quais já não via há algum tempo. Procurava-me justamente por conta desse. Segundo ela, o Lucas (o filho mais velho) estava indo por um mau caminho, e já não sabendo o que fazer procurou a minha pessoa em busca de orientação.

Ocorre que o Lucas, já em seus vinte e poucos anos, não mais queria saber da mãe ou da família. Havia arranjado um bom emprego em uma empresa local, se mudado para uma casa em uma região boa da cidade e aparentava estar vivendo bem. Porém, por trás do aparente sucesso, D.ª Conceição disse que Lucas colecionava dívidas e mais dívidas, sendo necessário ajudá-lo financeiramente todos os meses, algo que se tornava cada vez mais difícil tendo em vista que também era necessário cuidar dos dois outros filhos.

Apesar das dívidas, Lucas sempre andava bem vestido e com todos os aparelhos eletrônicos da moda. Qual era então a explicação para tamanho infortúnio? Perguntei então, qual era a última vez que havia falado com Lucas. Ela disse que havia sido na última sexta-feira, e que o mesmo havia lhe pedido dinheiro para comprar um celular novo. Ela respondeu que ele havia acabado de comprar um celular novo há coisa de dois, três meses, e que não havia motivo para ele trocar de celular novamente. Irritado, Lucas então desligou o telefone. Indaguei então sobre a marca do aparelho. Do limitado conhecimento de D.ª Conceição, que o descreveu como um aparelho “inglês ou francês”, constatei que era da marca “Apple”, após ela descrever o logotipo, que era de uma maçã faltando um pedaço.

Foi aí, então, que tudo começou a ficar mais claro para nós. A maçã, como bem sabem, foi o fruto do pecado original. Assim diz Gênesis 3:3: “Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais.”. Comendo então do fruto proibido, instigados pela serpente, Adão e Eva foram expulsos do Paraíso. Certamente o leitor reconhecerá a referência no logotipo do celular em questão, que reproduzo abaixo:

apple-logo

O fato de um pedaço estar faltando é evidência irrefutável que trata-se de uma referência ao pecado original. O que muita gente infelizmente não sabe, seja por ignorância, ou seja por obra do Satanás, é que a empresa em questão foi fundada às escondidas em 1945 por uma seita satânica nos Estados Unidos, mas apenas em 1976 se tornou pública, sendo assumida por Steve Jobs (Esteves Trabalho) . Para conseguir poder econômico, lançam produtos eletrônicos consagrados ao Satanás com a referência à maçã do pecado. Assim, ao comprar um produto dessa empresa, é como se o comprador estivesse cometendo o mesmo pecado de Adão e Eva, ofendendo o Senhor Jesus Cristo, distanciando-se do paraíso e resignando-se a uma vida de eterno sofrimento. “E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida.” (Gênesis 3:17).

Mais preocupante de tudo é o mal é tão suplantado que a pessoa se vicia nos produtos da tal forma a ponto de nunca estar satisfeita com o que tem e sempre precisar comprar os últimos lançamentos (que não são nada baratos, por sinal), chegando até mesmo a se endividar para sustentar o vício, como de fato foi o caso com Lucas. iPods, iPhones, iMacs. A letra ‘i’, abreviatura de Inferno.

“Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” (Hebreus 13:5) Sendo assim, aconselhei D.ª Conceição a se livrar de todos os produtos da marca possuídos por Lucas, além de não fornecer mais dinheiro algum para compra dos mesmos. Ofereci-me para tratar dos aparelhos pessoalmente, visto que ela não conhecia ninguém para fazer o trabalho e que trata-se de artefatos perigosos. Também recomendei trazer o Lucas urgentemente para que possamos proceder com o descarrego.

Que o exemplo sirva de alerta aos caros leitores do blog. Caso possuam aparelhos da tal marca, ou conheçam algum parente ou amigo que os tenham, livrem-se deles imediatamente e os informem sobre a natureza deles e dessa empresa demoníaca. “Sabei que o SENHOR é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto.” (Salmos 100:3)

O_o é mole ou quer mais!?

Lembrem-se que estou no treinamento para ser pastor e quem quiser trazer os itens malditos pra mim eu sei bem o que fazer com eles!





Exaltação!

4 06 2009

Mas que pessoa fantástica,

cheio de defeitos, e ainda assim…

Super presunçoso, prepotente, mal criado, teimoso, cheio de manias, matraca, doido, que fala alto, que te corta no meio da fala, que chama atenção sempre pra ele, que sempre tem uma opinião mesmo onde não é chamado, chorão, reclamão, vive com saudades, vive sofrendo de amor (ou falta de), ta sempre com algum problema, e esse problema é sempre maior e mais importante do que o dos outros, que tem um humor ácido, que se diminui porque não é como gostaria… ufa, quanto defeito.

E ainda assim eu tenho amigos!

Obrigado a vocês!leão-africano-thumb4461073





Quem é você!?

3 06 2009

andorinha

“Certa vez houve uma inundação numa floresta. O choro das nuvens que deveriam promover a vida dessa vez anunciou a morte. Os grandes animais bateram em retirada fugindo do afogamento, deixando até os filhos para trás. Devastavam tudo que estava à frente. Os animais menores seguiam seus rastros. De repente um pequena andorinha, toda esnsopada, apareceu na contramão procurando a quem salvar.

As hienas viram a atitude da andorinha e ficaram admiradíssimas. Disseram ‘Você é louca! O que poderá fazer com um corpo tão fragil?!’. Os abutres bradaram: ‘Utópica! Veja se enxerga sua pequenez!’. Por onde a frágil andorinha passava, era ridicularizada. Mas, atenta, procurava alguém que pudesse resgatar. Suas asas batiam fatigadas, quando viu um filhote de beija-flor debatendo-se na água, quase se entregando. Apesar de nunca ter aprendido a mergulhar, ela se atirou na água e com muito esforço pegou o diminuto pássaro pela asa esquerda. E bateu em retirada, carregando o filhote no bico.

Ao retornar, encontrou outras hienas, que não tardaram a declarar: ‘Maluca! Está querendo ser heroína!’. Mas não parou; muito fatigada só descansou após deixar o pequeno beija-flor em local seguro. Horas depois, encontrou as hienas embaixo de uma sombra. Fitando-as nos olhos, deu a sua resposta:

‘Só me sinto digna das minhas asas se as utilizar para fazer os outros voarem’. “

Texto extraido do Livro: O Vendedor de Sonhos -o chamado – de Augusto Cury





Ahhhhh o amor…

31 05 2009

toreador

Assistindo a um filme eu percebi que o tal do AMOR é um assunto recorrente no meu dia a dia. Já parou pra pensar quantas vezes você ouve a palavra amor e suas derivações por dia? E quantas vezes você lê? E quantas você pensa?

Fico pensando que pra mim talvez essa seja a maior aspiração a ser alcançada. Talvez o amor me fascine por ser um objeto de dificilimo acesso. Cresci em meio a histórias onde pessoas se encontram, se apaixonam, movem montanhas e se protegem pra manter esse tal desse AMOR. Essas histórias permeiam nossas mentes , mesmo quando tentamos evita-las.

Talvez por eu duvidar muito que gente que nem eu possa realmente formar uma unidade familiar sólida, esse tal desse amor seja um objetivo tão almejado. Fico muito feliz em ver casais, fico muito feliz ao ver meus amigos apaixonados, querendo proteger a pessoa que agora carrega um pedaço deles. Mas sempre que vejo uma história assim me sinto um vampiro (ou uma frigideira ahahahah), daqueles de contos onde a mocinha se apaixona por um vampiro e a reciproca é verdadeira. Mas no fim, um dos dois envelhece e morre, ou simplesmente não podem ficar juntos porque pertencem a mundos diferentes.

Em uma extremidade do gradiente, conheço gente que nem eu, que é “bem sucedida” em todos os aspectos da vida e esta sempre buscando melhora-los, mas o tal do amor, por ser um objeto que provoca fascinio e medo talvez tenha algum poder que me repele. Talvez eu possua o poder pra repelir o amor sem nem mesmo perceber. Na outra extremidade conheço gente que nunca experimentou o tal do amor, mas foge dele como se fosse o fim dos tempos.

Fico me perguntando como sera a vida no futuro.

Conseguirei o que eu mais quero?

E mais importante do que isso:

Quando eu conseguir o que eu vou fazer com ele?





O complexo do menos

29 05 2009

patinho

Sabe quando você se sente bem pequeno perto dos outros ? Quando você acha que todo mundo tem uma coisa única e especial pra mostrar pro mundo menos você ?

Pois é eu tenho muito disso! A dias venho tentando auto analisar essa sensação, e tudo o que eu descobri é que é difícil pensar nela quando não estamos vivenciando. E quando estamos nela, não somos muito capazes de ver além.

Se sentir o patinho feito, provavelmente deve ser um mecanismo de proteção que nosso corpo criou pra não humilharmos o resto da humanidade.  Hã como assim!? Desenha tio!

Ta lá vai minha teoria (lembrando sempre que eu sou o esteriótipo leonino puro): Se eu ando com um monte de amigos em uma festa e eles são todos bonitos, todos solteiros, todos carismaticos. Eu tenho duas opções. Ou eu serei mais um deles, ou eu serei o menos interessante do grupo. As pessoas com a sindrome do patinho feio tendem a se por pra baixo porque não tem noção do potencial que elas tem.

Se um desses patinhos feios decide que ele é o mais bonito do grupo simplesmente não sobra pra ninguém! Então é mais seguro pro mundo que seja assim. Ele o patinho feio e o resto o bando.

Mas o patinho feio não sabe de uma coisa que eu descobri! O patinho feio é diferente sempre, mesmo se sentindo um cocozão ele tem uma luzinha própria. O Bando funciona muito bem obrigado quando esta junto, mas no “solo” eles perdem força e encanto. O patinho feio sempre tem algo pra mostrar, é assim nos contos de fada e é assim na vida real.

Então se vocâ acha não é o melhor no que faz, ou que seu corpo não é o melhor de todos, ou que você é menos inteligente que seus amiguinhos.

Pra você, ainda restam duas opções. Você pode ficar se lamentando (o que eu particularmente adoro fazer) ou você pode se esforçar muito pra alcançar os seus objetivos.

Lembrando que entrando ou não no bando, você sempre estará em destaque.





Frigideiras multi-uso, panelas profundas e tampas erradas

28 05 2009

Frigideira

Eu e minhas metáforas e analogias. Tudo que é postado aqui é baseado em uma ou mais de uma experiências que eu vivi, portanto sintam-se a vontade para se sentirem mal, não pretendo perder amigos por causa disso, mas a minha realidade momentanea é essa.

Oh! Pobre frigideira, sempre se fode! Sempre tenta, tenta, tenta e nada… Mas será porque!?

A pobre frigideira que sempre aumenta a temperatura de tudo. É a frigideira, a responsável por fazer as coisas ficarem prontas. E assim como as panelas ambas tem em mãos um poder que as tampas não tem. A pobre frigideira passa anos tentando achar sua tampa. Oh! pobre frigideira.

Depois de sofrer muito, tomar muito na cara e se conformar com sua situação de frigideira dos anos 80, “aquelas que não tem tampa”, a pobre frigideira vai em busca de se resolver e ser feliz. Muito é gasto com a terapia da pobre frigideira, coitada.

Uma hora a frigideira percebe que ela é mais versátil que a panela, e que em alguns casos, ela super combina com algumas tampas, mesmo que a combinação seja temporária.  Sua amiga panela, passa muitos anos na mesma situação, achando tampas que “faltam” ou que “sobram” até que um dia acha a sua! (Ou não)… Mas a frigideira, a pobre frigideira, continua seu serviço de se adaptar, de conviver com os mais variados tipos de tampa, e no fim a pobre morre sozinha.

Mas, olhando pra trás, a frigideira feliz consegue ver que por mais que tenha se esquentado atoa com algumas tampas, a vida foi boa. E no fim a frigideira feliz, vê que se ela nasceu pra ser uma frigideira a missão dela era MESMO viver SEM tampa, e aproveitar das pobres tampas. Muito em comum a frigideira tem com suas amigas panelas. Estas, passam a vida tentando mostrar sua profundidade pras tampas, até que, se o acaso do destino permitir, elas nunca mais se separam.

Oh! Pobre frigideiras. Esquetam muito com POUCO, chiam por quase nada, esparramam tudo em cima do fogão, mas no fundo no fundo, são elas as que curtem mais, pois apesar de sofrerem exageradamente elas vivenciam tudo de forma intensa.

E as tampas você me pergunta?

As tampas, em ultima instância procuram mais que as frigideiras e que as panelas…

… e servem pra muito menos.

No ouvido : exagerado – Cazuza

No coração: confusão

No corpo: dor na lombar

Na cabeça: Como mesmo que eu passo daquela fase?

By Passa





A crise da frigideira – do ponto de vista irritado.

28 05 2009

Quer saber a verdade!?

Quem nunca na vida sonhou com o idiota do principe encantado? Todos já passamos por isso e quem não passou um dia vai passar!

Quando você menos espera aparece um idiota e te faz ficar babando, pensando e criando um mundinho lindo e cor de rosa, onde você e ele só fodem e vivem de amor a porra do dia inteiro!

Depois que você consegue se aproximar e depois de já ter criado sua auto ilusão, esse babaca chega e arranca ela de você sem NENHUMA vergonha ou constrangimento.

E eles são tão seguros de si, tão poderosos, tão racionais, os próprios donos da corda.  São capazes de de fornecer metragem quase que infinita da corda da ilusão, pra no fim eles mesmos puxarem o alçapão e se masturbarem de prazer por te verem enforcado com sua própria ilusão!

E sabe qual é o pior?! A culpa é sua! E esses cretinos ainda insistem em dizer que você não tem NADA A VER com isso! Claro que tem. Se você não tivesse sido tão idiota a ponto de querer uma pessoa dessas, você jamais precisaria de enforcar-se.

A verdade é que todos precisam de uma tampa, mas nem todos são panelas. Alguns são frigideiras, e as que nasceram antes da década de 90 em sua maioria NÃO tem tampa.

Os “principes encantados”, são tampas perdidas. Chegam devagar, te oferecendo um “calorzinho” a mais, as vezes, até tem a cara de pau de tentar se encaixar. Abafam você como todo galã vilão de novelinha faz:  sorriem, te dão carinho, te fazem achar que você é de verdade uma panela! Mas no fim, quando o calor aumenta, a tampa desencaixa e voa!

E sobra você… a frigideira!

No ouvido: Enjoy the silence – Versão Tanghetto

No Coração: Irritação

No Corpo: Desenhos de caneta permanente

Na mente: O prédio do banco central se transformando num cigarro gigante

By Felipe Passa








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.